fbpx
síndrome do intestino irritável

Síndrome do Intestino Irritável (SII): o que é, quais são os sintomas?

Distensão abdominal, dor, excesso de gases, constipação intestinal ou diarreia são alguns dos sintomas da síndrome do intestino irritável (SII). Essa é uma doença crônica que afeta o funcionamento normal do intestino e requer cuidados diários com a alimentação.

A SII não causa mudanças no tecido intestinal ou provoca maiores riscos de desenvolver câncer nessa região. Contudo, pode afetar (e muito!) a vida social do indivíduo.

Ficou curioso para saber como identificar se você tem essa doença e como amenizar os sintomas? É só continuar a leitura!

Entenda a síndrome do intestino irritável

A SII é uma desordem abdominal caracterizada por dor, desconforto e mudanças nos hábitos intestinais com alternâncias entre episódios de diarreia e constipação. Estima-se que 45 milhões de pessoas nos Estados Unidos sofrem com esses sintomas. No mundo, a perspectiva é entre 10% 15% de pessoas com síndrome do intestino irritável.

Principais sintomas causados pela síndrome

  • alternância entre diarreia e constipação intestinal;
  • produção excessiva de gases;
  • distensão abdominal e dor na região.

A síndrome pode apresentar episódios em que os sintomas desaparecem e outros momentos em que eles ficam piores, prejudicando a vida social do indivíduo. Segundo um artigo britânico, ela também pode provocar em alguns momentos: 

  • flatulência;
  • produção de muco nas fezes;
  • perda de energia e cansaço;
  • náusea;
  • urgência para urinar e necessidade de ir ao banheiro com frequência.

Como é feito o diagnóstico da síndrome do intestino irritável

Não existe um exame específico para avaliar se um indivíduo tem a síndrome do intestino irritável. Por isso, a avaliação é feita por meio da análise dos sintomas relatados pelo paciente e o descarte de outras doenças causadoras de características semelhantes.

Portanto, é comum o médico gastroenterologista solicitar exames de sangue para avaliar a existência de doença celíaca, intolerância à lactose, bem como endoscopia, colonoscopia ou ultrassonografia da região. Tudo dependerá dos sintomas apresentados pelo paciente.

Principais causas da síndrome do intestino irritável

Os estudos médicos ainda não identificaram uma causa real para a ocorrência da síndrome, mas acredita-se que ela está relacionada a uma combinação dos seguintes fatores:

  • aumento da compressão dos músculos na parede intestinal;
  • maior sensibilidade à dor na região intestinal;
  • inflamação do intestino, que pode ser causada por uma gastroenterite;
  • característica genética;
  • desequilíbrio na presença de bactérias boas e ruins no intestino.

A síndrome do intestino irritável também pode afetar pessoas que passaram por cirurgia abdominal ou pélvica.

Como os fatores emocionais influenciam a SII

Estudos também indicam que existe uma conexão entre os fatores fisiológicos e psicológicos. O estresse e a ansiedade contribuem para a ocorrência de sintomas mais fortes da síndrome do intestino irritável, prejudicando muito a manutenção de uma vida social em equilíbrio.

A paciente Morgana Linhares passou por uma situação semelhante. Ela já tinha sido diagnosticada com SII, mas os sintomas ficaram mais fortes com o aparecimento de náuseas, cansaço e flatulência excessiva. Isso afetou muito sua vida social, pois não tinha mais interesse em sair de casa.

Um médico já havia sugerido uma dieta com baixo teor de Fodmaps, mas ela não havia colocado em prática. Portanto, sua primeira iniciativa foi procurar uma nutricionista para orientá-la na dieta.

“Precisei cortar os alimentos com alto teor de Fodmaps por 1 mês e foi bem difícil. Muitos deles fazem parte da alimentação do brasileiro como cebola, alho, feijão, massas e queijos. Por várias vezes achei que não conseguiria dar continuidade ao processo. Depois de algumas crises, a nutricionista Talita Menezes me orientou a procurar um acompanhamento com uma psicóloga”, relatou Morgana.

Em conjunto, as profissionais foram auxiliando no processo de readaptação à rotina. Enquanto a nutricionista fazia mudanças no plano alimentar e orientava Morgana a preparar os próprios alimentos com o intuito de controlar todos os ingredientes utilizados, a psicóloga a auxiliava a entender essa mudança no estilo de vida e a identificar os principais causadores dos sintomas.

Talita Menezes também solicitou o uso de probióticos para reorganizar a presença das bactérias no organismo. Os sintomas melhoraram um pouco depois de alguns meses, mas ainda reapareciam em determinados momentos, causando, inclusive, náuseas e cansaço. Foi aí que Morgana decidiu voltar a um gastroenterologista.

Exames adicionais

A médica solicitou exames para eliminar fatores como doença celíaca e intolerância à lactose. Para tanto, indicou exames de sangue e endoscopia digestiva para coleta de tecido para biópsia. O exame eliminou a existência de intolerâncias alimentares. Contudo, não se descartou a existência de uma sensibilidade não-celíaca ao glúten.

“Agora a ideia é dar sequência ao tratamento e procurar minimizar os sintomas. A maior dificuldade é conviver com uma alimentação mais restritiva, pois sempre preciso pensar em quais alimentos consigo ingerir para não passar mal. Também estou percebendo, em conjunto com a psicóloga e a nutricionista, que a ansiedade e o estresse pioram muito os meus sintomas”, relatou Linhares.

Como o estilo de vida pode amenizar os sintomas da SII

A síndrome do intestino irritável pode ser controlada com uma mudança no estilo de vida do indivíduo. A ingestão de fibras solúveis auxilia na regulação do bolo fecal e em um funcionamento mais adequado do organismo.

Depois de muitos anos de estudos e registros de sintomas apresentados por pacientes, cientistas da Monash University chegaram à conclusão que alguns alimentos aumentam os sintomas da SII. Por isso, criaram o termo Fodmaps para falar sobre a lista de produtos que devem ser evitados pelos indivíduos com a síndrome.

Vida mais equilibrada

Além de controlar os alimentos ingeridos ao longo do dia, também é importante dar atenção aos seguintes fatores:

  • preferencialmente ingerir alimentos frescos e preparados em casa;
  • fazer um diário alimentar para avaliar quais os alimentos que apresentam mais sintomas e devem ser evitados;
  • procurar maneiras de relaxar para evitar o estresse e ansiedade, fatores que aumentam os sintomas da SII;
  • praticar atividade física regularmente;
  • utilizar probiótico e avaliar se ele contribui para o melhor funcionamento do intestino;
  • manter uma alimentação equilibrada, ou seja, consumir frutas, legumes, fibras, carboidratos, proteínas e oleaginosas permitidas. Para tanto, recomenda-se o acompanhamento de um nutricionista a fim de evitar a falta de algum nutriente importante;
  • ingestão de dois litros de água por dia;
  • consumir chás como erva-doce, hortelã e alecrim que auxiliam na digestão.

Também é indicado evitar o consumo excessivo de produtos processados, adoçantes culinários (sorbitol e xilitol), alimentos com glúten e lactose. Para tanto, também é importante avaliar quais são as farinhas utilizadas na produção de pães e doces sem glúten, pois muitos alimentos utilizam farinhas contidas na lista dos Fodmaps ou adoçantes culinários.

No caso da lactose, é permitido o consumo de produtos com inclusão da enzima digestiva lactase. Vale lembrar que a lista dos Fodmaps é bastante restritiva, por isso, recomenda-se segui-la com acompanhamento de um médico e de um nutricionista para evitar a falta de vitaminas no organismo.

Enfim, se você apresenta esses sintomas relatados no texto, não se preocupe! Você não está sozinho e há formas de amenizar os efeitos da síndrome do intestino irritável para ter mais qualidade de vida.

Gostou deste artigo e quer aprender mais sobre vida saudável? Conheça os principais tipos de restrição alimentar

About Morgana Hübener Linhares Guzzo

Jornalista que descobriu o incrível mundo do Marketing. Gosta de escrever conteúdos para blogs e aprende a cada dia com um novo tema que precisa estudar. Tem pós-graduação em Comunicação Estratégica e Negócios e está concluindo um MBA em Estratégias de Marketing.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *